Virólogo especialista revela como será o mundo quando os humanos se extinguirem

   

A altura imponente dos edifícios e os cada vez mais avanços tecnológicos convenceram-nos de que o nosso domínio do mundo é total. O design elegante dos nossos carros e telemóveis, atualizados todos os anos, faz-nos acreditar que o nosso tempo é ilimitado. Mas alguns peritos afirmam que o nosso tempo no planeta Terra está mais do que contado.

A questão já não é se nos vamos extinguir, mas quando. E isto levou os investigadores a considerar cenários do planeta sem a presença humana. Este exercício de imaginação é a única coisa que nos resta fazer, uma vez que o nosso rasto pós-apocalíptico será quase invisível, pois muito poucas das nossas coisas ou invenções sobreviverão após a nossa extinção total.

De acordo com os especialistas, a extinção é inevitável. Espécies que dominaram o planeta em diferentes momentos da história tiveram de enfrentar a aniquilação completa mais cedo ou mais tarde e, claro, a espécie humana não está isenta de ser dizimada por alguma catástrofe natural ou vírus.

O virologista australiano Frank Fenner acredita que vamos mesmo desaparecer da face da Terra no próximo século devido à sobrepopulação, poluição e alterações climáticas, pelo que devemos começar a preparar-nos mentalmente para uma catástrofe. Embora possamos preocupar-nos com este fim, no fundo sabemos que a vida no nosso planeta continuará sem nós, por isso a coisa mais excitante que podemos fazer agora é imaginar este mundo sem humanos.

   

Hoje, para termos uma ideia do que irá acontecer ao planeta sem a presença do homem, podemos olhar para Chernobyl. Essa região oferece uma imagem precisa do regresso da natureza e da vida selvagem. Os animais selvagens voltarão a povoar os territórios e a vegetação começará a cobrir as cidades. Alguns animais domésticos, tais como gatos e cães, terão de competir com lobos. No seu livro O Mundo Sem Nós, Alan Weisman escreve que “a natureza acabará por deitar tudo abaixo” e que se não conseguir deitar tudo abaixo, irá enterrar tudo.

A questão de saber se surgirá vida inteligente após o nosso desaparecimento não é tão fácil de responder, uma vez que os especialistas vêem as suas previsões como algo confusas, pois ainda não podem observar as condições de extinção, uma vez que a destruição dos 450 reatores nucleares em todo o mundo e os efeitos da sua radiação ainda teriam de ser contemplados.

Para além disso, para alguns especialistas, o surgimento de inteligência noutra espécie é difícil de responder uma vez que após o nosso desaparecimento, irá existir um período de relativa restauração em que as espécies viverão vidas mais relaxadas, o que não os levará a tentar implementar formas de sobrevivência.

Após a nossa extinção, a flora e a fauna enfrentarão um período de adaptação de pelo menos 100 anos. As cadeias alimentares e o ambiente serão as principais coisas que terão de passar por um novo processo de estabilização.